top
SEP 14 2010

INOVAÇÃO - Brasil é líder em pesquisa e inovação na AL, diz BID

 O Brasil é, de longe, o país com melhor desempenho em inovação, pesquisa e desenvolvimento entre as nações da América Latina, mas, como elas, está bem abaixo dos outros emergentes, como China, Índia e Coreia do Sul, segundo estudo recém-divulgado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Um dos maiores desafios brasileiros é capacitar empresas e governos estaduais a aproveitar os programas de apoio criados pelo governo federal, disse a chefe da divisão de ciência e tecnologia do banco, Flora Montealegre Painter. Ela abre hoje, em Brasília, seminário com representantes estaduais sobre inovação.

      "O Brasil tem muitíssimos instrumentos de apoio à pesquisa e tecnologia para inovação, em nível federal", saudou a executiva. "O que se necessita realmente é apoiar o fortalecimento das instituições regionais e estaduais." O BID estuda oferecer linhas de crédito para fortalecer programas de inovação e desenvolvimento tecnológico em diferentes Estados. Projetos-pilotos vêm sendo desenvolvido pelo banco com os governos de Alagoas, Paraíba, Minas Gerais e Santa Catarina.

      "Estamos em uma etapa de exploração", comentou a executiva. O projeto, com US$ 1 milhão aproximadamente em recursos do BID e quase US$ 5 milhões no total, deve detalhar a atuação e ligações de empresas, governos e instituições em projetos de inovação. Os resultados devem orientar a criação de uma linha de crédito do BID para o setor, adianta Flora Painter.

      Em reunião ontem em Brasília, responsáveis pelos programas estaduais de inovação comentaram as dificuldades de pequenas e médias empresas para qualificar-se a receber os incentivos disponíveis no país de instituições federais como o BNDES e a Finep. Uma das linhas de trabalho a serem adotadas pelos governos e instituições multilaterais pode ser a de programas de orientação e qualificação desses empresários, disse a executiva do BID.

      O relatório recém-divulgado, "O Imperativo da Inovação", preparado originalmente para a reunião dos chefes de Estado da União Europeia e da América Latina e Caribe, realizado em Madri, em maio, mostra que, no período entre 1997 e 2007, enquanto o investimento em inovação dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) cresceu de 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2,3%, nos países da América latina e Caribe, esse percentual cresceu de apenas 0,52% para 0,67%. Apesar do crescimento modesto, o Brasil teve papel importante, segundo o BID: foi responsável por 60% dos gastos em pesquisa e desenvolvimento em 2007.

      Embora o Brasil se destaque como o país com maior parcela do PIB destinada a investimentos em inovação, esse percentual ainda era pequeno, de 1,11% do PIB em 2007, bem abaixo dos alcançados em países emergentes como a Coreia do Sul, que investiu quase 3,4% do PIB em pesquisa e desenvolvimento no mesmo ano. A China, segundo o BID, investiu perto de 1,5% do PIB, mas chama a atenção pela velocidade com que aumentou seu percentual de investimentos em inovação: partiu de patamares inferiores dos alcançados pelo Brasil em 1997.

      Ressalvada a distância que ainda separa o Brasil dos países asiáticos, por exemplo, o Brasil é apresentado, ao lado de países como o Chile e, em alguns casos, México e Argentina, como o melhor exemplo de avanço no setor. Na América Latina, em geral, há menos pesquisa aplicada, geradora de inovação produtiva, que em países mais avançados. Na região, enquanto os pesquisadores em engenharia e tecnologia representam entre 10% a 30% do total, países como Japão ou Coreia do Sul têm 60%.

      O Brasil é citado, ainda, como exemplo na constituição de fundos setoriais, na bem sucedida articulação entre pesquisas e produção agrícola e na variedade de instrumentos de apoio a inovação. A falta de relação entre o que é pesquisado nas universidades e as empresas é um dos principais desafios do país, como em toda a região, diz a executiva do BID.

Fonte: Valor Econômico (14/9/2010)

SEP 14 2010

Saldo comercial atinge US$ 159 milhões na 2ª semana de setembro

A balança comercial fechou a semana de 6 a 12 de setembro com saldo positivo de US$ 159 milhões.

     A média diária de US$ 39,8 milhões referente aos quatro dias úteis do período foi inferior à média de US$ 46 milhões por dia útil observada na semana de 1º a 5 de setembro, que contou com três dias úteis.

      O superávit verificado na segunda semana de setembro resulta de US$ 3,088 bilhões em exportações - média de US$ 772 milhões por dia útil - e de US$ 2,929 bilhões em importações - média diária de US$ 732,3 milhões.

      Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Fonte: Valor Online (14/9/2010)

«   4 5 6 7
Latest News
OCT 30 2010

Incoterms 2010

Read More »

OCT 24 2010

Polo naval de Rio Grande produzirá plataformas em série

Read More »

OCT 24 2010

Nova rodovia ligará portos do Paraná ao de Santos

Read More »

OCT 08 2010

Abertas as inscrições para a missão empresarial à África do Sul e…

Read More »

OCT 08 2010

Camex prorroga antidumping sobre importações de éter e de magnési…

Read More »

Quote

GET A QUOTE

In order to speed up the process, fill in the quotation form and we'll contact you soon.



bottom